TVciado

Batman! Criado em 1932 por Bob Kane, vem ao longo dos anos, se tornando a figura mais popular dos quadrinhos na cultura pop, e é graças a seus filmes, séries e desenhos animados, além das constantes referências em diversas outras mídias que a imensa maioria das pessoas esse planeta conhece o Homem-Morcego. Estréia nessa sexta-feira, o ultimo filme da trilogia Cavaleiro das Trevas, fechando assim, umas das sequencias mais bem sucedidas de quadrinhos no cinema, para comemorar isso, resolvi escrever sobre as aventuras do Batman na televisão.

As Aventuras de Batman e Robin
Batman e Robin, junto com grande parte da Liga da Justiça tiveram vários desenhos animados nos anos 80 a 90, sob a alcunha de Super Amigos, mas eram basicamente as mesmas animações, só mudando os personagens. Assim como Superman e a Mulher Maravilha, Batman e Robin era as únicas constantes em todos os desenhos. Eram desenhos bem infantis, com lição de moral e tal, mas eram muito divertidos, ainda mais mostrando heróis inéditos como o Chefe Apache, Samurai, Super Gêmeos e o Tempestade, e vilões de várias linhas editoriais se juntando sob o comando de Lex Luthor para formar a Legião do Mal e se esconder no capacete do Darth Vader no pântano. Depois disso, Batman e Robin chegaram a ter um desenho só dele, que tinha participações constantes do Bat-Mirim pra reforçar ainda mais o tom infantil. Mas ainda é legal assistir esses desenhos hoje, pra poder ver versões diferentes dos nossos heróis e as situações ridículas que eles entravam. Abertura.

Batman: The Animated Series
Pois é crianças, foi essa e ainda é, a melhor série animada do Batman! Realmente foi feita em outra época, tinha traços muitos maduros e enredo totalmente envolvente, explorando ao máximo o lado detetive do Batman, além de uma ótima animação. Teve um total de 85 episódios e 2 longa-metragens, onde uma grande quantidade de vilões fora introduzidos, sempre seguindo a origem dos quadrinhos e adaptando grandes sagas. A série tratada de assuntos adultos como assassinato, insanidade e traição, elementos que fazem jus ao universo do Batman e jamais tinham sido mostrados na televisão. Além disso, a abertura do desenho fez história, eternizando outra música (inspirada na trilha do filme de Tim Burton) para o Homem-Morcego. Abertura.

Batman: Gotham Knights
Era uma continuação direta da série anterior, mas o traço havia ficado um pouco mais leve e a temática levemente mais infantil. No começo foi ruim se adaptar a um Batman menos detetive, mas para compensar, o primeiro Robin (que havia entrado no meio da série anterior) se tornava Asa Noturna, e o 3º Robin entravaram para a série, além da Batgirl. Todos esses personagens estavam lá para explorar outro aspecto do herói, sua liderança, e mostrar como o Batman podia sim ter uma equipe, desde que todos confiassem nele. A série mostrava ainda mais vilões e personagens secundários, além de contar com 2 curtas-metragens. Por usar a mesma abertura da série anterior, algumas vezes essa é tida com a 4ª e 5ª temporada de Batman: The Animated Series.

Batman do Futuro
Sabe como algumas pessoas dizem que o Batman cadeirante da HQ Batman: Knightfall é o final do Batman? Pois é, eu acho que Batman Beyond (ou Batman do Futuro como chegou aqui) é o final de Bruce Wayne. No ano de 2040, Gotham não vai lá muito bem, e o Cavaleiro das Trevas também não está mais conseguindo lidar com os problemas de sua cidade graças a sua idade e saúde debilitada. Em uma série de eventos, Bruce contrata um assistente pessoal que vem a se tornar o novo Batman. Armado com tecnologia e ensinamentos do Batman original, o novo Homem-Morcego enfrentava vilões novos e antigos. A série era cheia de ótimas versões dos personagens que já conhecíamos, como Superman, Mr. Freeze, Bane, Royal Flush e Coringa e nos apresenta ótimos vilões, como Grito, Inque e Spellbinder, além de spin-off muito interessante que era Projeto Zeta. Abertura.

Liga da Justiça
Assim como Super Amigos, esse não era um desenho só do Batman, mas ele protagonizada vários episódios e várias cenas memoráveis. O primeiro desenho era composto de 52 episódios, todos divididos em arcos de duas partes, sendo alguns inspirados em histórias dos quadrinhos. Nessa série, era legal ver a relação que os heróis tinham em si e como atuavam em equipe, além de das relações fora do serviço. Depois, veio a série Liga da Justiça sem Limites, onde os heróis tinham aberto o processo seletivo e a Liga fica abarrotada. Os heróis fundadores são colocados um pouco de lado, e outras histórias são contadas (inclusive o final de Batman do Futuro), mas mesmo assim, o desenho era ótimo, grandes personagens em um traço muito característico. Abertura.

O Batman
Esse desenho veio para explorar mais o Batman super herói, lembrando os espectadores que o ele além de detetive, também é mestre marcial e excelente atleta. Em compensação a isso, apresentou novas versões de alguns vilões, que para acompanhar o ritmo heroico da série, também foram dadas habilidades sobre-humanas, então se via o Coringa, o Pinguim e o Charada, vilões que são predominantemente inteligentes e combatem o Batman de longe, arquitetando planos, caindo na porrada com o Homem-Morcego. Ver o Pinguim lutar kung-fu é uma coisa que eu nunca esperava e nem precisava ver. Apesar disso, a série tinha umas histórias interessantes. Abertura.

Batman: Os Bravos e Destemidos
Sinceramente eu não sei o que aconteceu com essa série, ela tem vários elementos maneiros, como adaptar histórias famosas dos quadrinhos como Crise de Dois Mundos e O Retorno de Bruce Wayne, e conta com a participação de mais super heróis que Liga da Justiça Sem Limites, até mais obscuros, como o Tempestade, a Família Marvel, Tropa dos Lanternas Amarelos, Batman de Zur-En-Arrh, Professor Zoom e Jonah Hex. Mas tudo isso está embaixo de uma grossa e impenetrável camada de humor infantil que não combina com o Batman, além do traço da animação também não trazer nenhuma maturidade. Sempre que vejo os enredos, dá vontade de assistir um episódio ou outro, mas quando vejo as piadas e gracinhas que fazem com o Batman, lembro porque essa série não é legal. Abertura.

Beware the Batman
A nova série do Homem-Morcego em computação gráfica chega em 2013, e até agora temos poucas informações. Em uma série mais sombria, Batman irá se juntar com a espadachim Katana seu mordómo e ex-agente especial Alfred para enfrentar vilões menos conhecidos dos quadrinhos, como o Anarquia, Professor Pyg e Humpty Dumpty. O produtor Sam Register diz que todas essas mudanças são da própria Warner e da DC, que querem explorar mais a galeria de vilões e não querem repetir a mesma história com o Robin e o Coringa. As apostas estão feitas, vamos ver se trás resultado, por enquanto, fique com esse trailer.

Longa-metragens animados
Junto com a Liga da Justiça, Batman estrelou três longas-metragens: Liga da Justiça: A Nova Fronteira, que mostra a origem da Liga na era de Prata; Liga da Justiça: Crise nas Duas Terra, onde coloca os heróis contra suas contrapartes malignas e com direito a ótima luta entre Batman e Owlman; E Liga da Justiça: Legião do Mal, onde temos os principais vilões se unindo contra a Liga (ótima história, mas o principal argumento é um spoiler forte, então vão ter que confiar em mim).

Só com o Superman, o Batman teve dois longas: Superman/Batman: Inimigos Públicos, onde os heróis caem numa armação e são dados com culpados de vários crimes e agora tem que fugir e provar sua inocência; E Superman/Batman: Apocalypse, onde os dois heróis tem o primeiro contato com Kara, a Supergirl. Ambas as animações tem traços de primeira e ótimos enredos, aproveitando o máximo o que essa dupla tem a oferecer.

Por fim, o Homem-Morcego teve três animações só para ele: Batman: Cavaleiro de Gotham, um conjunto de 6 curtas ao estilo anime produzidos pela Madhouse que contam histórias situadas entre o primeiro e segundo filme da franquia de Nolan. Eu particularmente não gostei muito, a animação não combinou e as histórias são um pouco surreais; O ótimo Batman Contra o Capuz Vermelho, que conta a história da morte de Jason Todd, o segundo Robin, e a ascensão do vilão Capuz Vermelho; E por fim, Batman Ano Um, um filme baseado no quadrinho homonimo, onde mostra o primeiro ano de Bruce Wayne depois do treinamento marcial e a chegada de James Gordon a cidade, e como eles juntos, começam a trilhar seus caminhos.

Batman
Não podíamos terminar antes de falar dos seriados, e comentar sobre essa, que foi a série que introduziu o Batman a toda uma geração! Rodeada de comédia de situações ridículas, a série adaptava com maestria uma enorme gama de personagens dos quadrinhos. Víamos o barrigudinho Adam West lutando contra o Pinguim, o Chapeleiro Louco, o Charada, a Mulher-Gato, o Sr. Frio, a Viúva-Negra e é claro, Cesar Romero como um Coringa muito maluco. Apesar das tosquices, a série fez história com vários elementos: Sua música tema (nananananana Batman!) ícone até hoje; O batmóvel conversível cheio de estilo, o jargão do Robin (santo…. Batman!); as cenas de escalada em que a câmera era virada 90°; as onomatopeias dos quadrinhos que vinham voando na tela na hora da pancadaria; Além de dado origem a Feira da Fruta, a inigualável e lendária sátira brasileira. Abertura.

Birds of Prey
Depois da primeira série, o Homem-Morcego só teve outra série periódica, e ele só apareceu no primeiro episódios. A série Birds of Prey contava sobre um grupo formado pela filha do Batman, a Batgirl e a filha da Canário Negro combatendo o mal da Gotham City um pouco no futuro que o Batman estava muito ocupado para se preocupar. A série até que era legal, contava uma historinha na abertura e tals, mas só teve 13 episódios. Abertura.

Comentários

12 comentários antigos

  1. Faltou uma em que na abertura tinha um tema de guitarra composto pelo “The Edge”, guitarrista do U2.
    Era um Batman jovem. Legal até.

    Perlato
    É a série The Batman listada ali, assista a abertura, irá ver a música do The Edge.

  2. Batman: Gotham Knights realmente é outra serie do Batman, inclusive tem um longo onde ele enfrenta o Dracula;foi uma pena a seria classica Batman: The Animated Series acabar infatilizada mais foi o que ocorreu.
    Pesquise mais antes de escrever bobagens

    Perlato:
    Que bobagem que eu escrevi? Eu tratei ela como outra série, e comentei que ela não tinha abertura própria.

  3. Batman: The Animated Series continua sendo a melhor, pena que hoje é praticamente impossivel fazer algo semelhante, os desenhos censuram armas, temas adultos e tentam ser muito infantis (como Batman: Os Bravos e Destemidos) sinceramente eu não tenho esperança nenhuma nesse novo desenho do Batman, de bom só resta os longa metragens mesmo.

  4. Fazia tempo que não via uma postagem tãao boa quanto essa aqui no Blog. Falar sobre o Batman sempre é muito bom *-* Podiam fazer uma matéria contando um pouco sobre a cronologia das HQs e os spin-offs, ficaria perfeito \o/

  5. Pingback: O Retorno do Cavaleiro das Trevas

  6. Legal, mas como fã, tenho q lembrar das duas primeiras adaptações do Batman, q foram os seriados para cinema Batman de 1943 e Batman & Robin de 1949. Ambas foram lançadas em DVD no Brasil, e eu tenho na coleção, assim como os dois seriados do Superman, o do Capitão Marvel, o do Fantasma e o do Capitão América!

  7. Pingback: Batman ganha outro curta, dessa vez, do futuro!