A tecnologia, de uma forma cada vez mais rápida, coloca em xeque antigos modelos existentes na sociedade. As máquinas de escrever foram postas de lado após a chegada dos computadores pessoais. A utilização do e-mail fez com que a informação circulasse mais rápida e tomasse o espaço das cartas em papel.  Nesta lista, também podemos citar smartphones e inúmeros outros dispositivos inovadores.

Woman Using Phone do Shutterstock

Os produtos e meios que iniciam esse processo de transformação realizado pela tecnologia são chamados de tecnologia disruptiva. O termo foi criado por um professor da Universidade de Harvard, Clayton M. Christensen, nos anos 1990, e apresentado em duas de suas obras – o artigo “Disruptive Technologies: Catching the Wave” e o livro “The Innovator’s Solution”.

O vocábulo faz alusão ao conceito de ruptura e designa produtos e serviços que rompem com antigos padrões e revolucionam o mercado. O surgimento dessas novidades costuma ser perturbador, ainda mais quando alguns modelos de negócios são desafiados. Impossível não lembrar dos taxistas diante do Uber ou das empresas de televisão a cabo diante da Netflix.

Continue lendo

Este artigo foi criado pela equipe Bitdefender para uso exclusivo do site Zona Nerd

Você já deve ter ouvido falar que não se deve instalar antivírus em dispositivos móveis. Algumas pessoas acreditam que o programa pode sobrecarregar o aparelho ou ainda que a proteção nem funcione de fato. Por outro lado, existem os que pensam que sem antivírus todos os seus dados estão desprotegidos.

Para esclarecer essas e outras dúvidas, resolvemos listar 5 motivos para você não instalar um antivírus em seu smartphone. Afinal, não faz o menor sentido ter os seus dados protegidos e poder navegar tranquilamente pela internet. Confira os principais motivos!

1. Você Não Tem Acesso a Nenhuma Conta

Caso você não possua nenhuma conta, como e-mail, cadastros, perfis de redes sociais, aplicativos de banco e mais, não tem porque instalar um antivírus em seu smartphone. Ele seria extremamente útil para proteger seus dados pessoais, mas como você não acessa nenhuma de suas contas pelo smartphone, então pode continuar sem antivírus.

Continue lendo

A Apple acabou de anunciar seu mais novo tijolo com maçã de U$1000, e as paródias já começaram a rolar. Eu pessoalmente gostei dessa versão da JacksFilms, em que eles pegam algumas das mais controversas e questionáveis funções e elementos do design do novo aparelho.

Dá pra comprar muita coisa com U$1000,00 hein.

O desenvolvedor Abhishek Singh queria ver que tipo de coisa ele conseguiria fazer com o kit de realidade aumentada da Microsoft, então ele decidiu replicar o World 1-1 do Super Mario Bros. e jogar através de seus olhos. Veja essa aventura curioso, mas nem um pouco viável.

Passar do lado do cano é muita roubalheira.

Às vezes, fazer seu pacote de dados de Internet móvel durar até o final do mês parece uma verdadeira batalha. Mas há alguns truques que podem te ajudar nessa tarefa: é possível turbinar a conexão do seu celular, com aplicativos que ajudam a economizar dados móveis e evitando os apps que mais consomem a franquia. A convite da Claro TV fizemos uma listas com dois grupos de aplicativos: os amigos do 3G/4G e os ladrões de dados.

Dez aplicativos que mais consomem dados
O primeiro passo para fazer seu pacote de dados durar é evitar os ladrões de bytes. Alguns programas para celulares consomem muita Internet, causando interrupção na navegação, redução da velocidade ou uma fatura mais cara para pagar. Um estudo feito pela Avast Software, com informações de três milhões de dispositivos Android, indicou dez aplicativos que mais consomem os dados móveis de celulares e tablets.

1. Netflix
Por carregar vídeos de alta qualidade e longa duração, como episódios de séries e até filmes completos, o serviço de streaming lidera a lista. Melhor não abusar!

2. SmartNews
O aplicativo que compila notícias de agências internacionais é vilão ao carregar textos, fotos e vídeos e ainda permitir a visualização do conteúdo offline. Ou seja, mais download, menos dados móveis.

Continue lendo