Eu sinceramente não sei se isso é comum e praticado na arquearia, mas esse tiro, digno de O Procurado, agora é demostrado por Lars Anderson, maior arqueiro moderno do planeta. Confira seu seu novo truque.

Logo teremos mais um vigilante nas ruas da Dinamarca.

Há alguns meses, fizemos uma postagem que falava sobre a Archery Tag, uma organização americana que havia criado o conceito de disputas tipo paintball, só que com arco e flecha.

Essa semana conheci Archery Attack, uma outra empresa que também presta esse serviço. Como eles tem um vídeo de apresentação tão legal quanto o da outra postagem, que inclusive parece que mostra outra modalidade de jogo, resolvi divulgar.

Mas só para não encerrar essa postagem como a outra, que tal uma boa notícia? A equipe do Archery Attack informou no facebook que receberam já várias propostas para abrir uma unidade licenciada no Brasil, no momento estão analisando todas elas e que pretendem realizar a expansão para cá em breve.

É Bros with Bows™ na cabeça!

Deixa eu começar contando que eu e alguns amigos meus temos um grupo de arqueria bem amador, auto-proclamado Bros with Bows™ (ou Brows para os íntimos), e procuramos nos reunir no mínimo bimensalmente para dar uns tiros just for fun. Há algumas semanas, eu tive a ideia de criar um esporte novo misturando a boa e velha queimada escolar com nossos arcos, no qual orgulhosamente batizei de Dodgebow, ainda em processo de teste e aprovação.

archery tag

Mas para a tristeza da minha veia inventiva, conheci a empresa americana Archery Tag, que promove eventos e locais para disputas que envolvem estruturas infláveis de cobertura, máscaras de proteção, arcos e flechas com ponta macia (mas que pode realmente serem marshmallows, do jeitos que os americanos são). Confira aí um vídeo da parada.

A empresa foi fundada em 2011 e funciona como uma franquia, lhe vendendo o equipamento necessário para abrir seu próprio espaço. Por enquanto, a unidade mais perto daqui fica no Peru, mas nada impede de um investidor conhecer essa nova tendência, resolver abrir uma unidade, digamos, em São Paulo e chamar uma turma aí, não sei, que tem seu próprio grupo, pra uma peleja… quem sabe né.