Há um tempo, eu postei na Zona de Links 30 um jogo bem divertido chamado Crush de Castle. Consistia em você controlar com um clique do mouse um trebuche  em ataque a um castelo bizarro formado de paredes e telhados e uma mistura de nobres, princesas de cavaleiros em cômodos vazios. Anyway… apesar de divertido era um pouco curto, e meio fácil.

Caso já tenha jogado e compartilha da minha opinião, prepare-se para dar um passo rumo a excelência no trebuche, clique abaixo e experimente Crush the Castle: Player’s Pack.

crush

ddo

Fui checar meus emails outro dia e vi que tinha um falando do D&D Online (eu já fiz o cadastro uma vez pra jogar a versão Trial). Antes de abrir eu pensei: Ah, deve ser mais uma daquelas propagandas pra comprar o jogo com quinhentas vantagens diferentes… mas eis que tomo uma porrada na cara!

O email vinha falar que a nova versão do jogo, D&D Online: Eberron Unlimited, estava liberado pra todo mundo jogar…de graça!

Eu fiquei sem saber o que falar… Quando recuperei o poder de pensar, abri meu MSN e procurei por alguém que essa notícia poderia fazer alguma diferença, e encontrei um amigo querido do grupo, o grande macaco Luke! E eu pedi pra ele fazer um “review” do jogo, que eu coloco aqui agora:

******

“Dungeons & Dragons Online” título publicado em 2003, por muitos sempre foi ignorado, um jogo que sobreviveu por traz das cortinas dos MMORPG’s do cenário atual. Devido ao fato de ser P2P(Pay To Play), não atraia muitos fãs, não tinham certas funções que o campeão de público “World of Warcraft” possui. Mas agora é diferente.

Se você é fã de D&D e sempre teve curiosidade, agora é um ótimo momento para testar esse jogo. Junto com nova versão tem várias novidades, como por exemplo, “Player Vs. Player” (até então era impossível duelar com outros personagens), “Auction Houses” e Sistema de “Craft” de itens.

As opções de customização de aparência são várias, com a presença das raças e classes assim como o original de tabuleiro.

Criação de Personagem DDO

O poder de imersão do jogo é assustador, os comandos de movimentação são simples, eu digo que te coloca na pele do seu personagem porque nenhum outro jogo foi tão fiel ao aspecto RPG devido às inúmeras habilidades que dão vida a ele, tais como “Listen, Spot, Search”. Esses elementos fazem todos os personagens serem indispensáveis em uma aventura. O Ladino, por exemplo, deve pressentir a armadilha, busca-la e desativa-la para então os companheiros de grupo poderem seguir viagem.

A voz do Dungeon Master que simula o Mestre de RPG de mesa está sempre narrando alguns eventos particulares interessantes.

Pra quem gosta de combate, também existem várias habilidades para um bom guerreiro se destacar em campo, se assemelha muito com um Action RPG, onde se deve apertar o botão de ataque para os personagens desferir os golpes. Também se pode rolar para fora do perigo, subir escadas, escalar aclives, nadar e pular. As magias também são bem criativas, dando destaque para a “Grease”, onde o mago enche o chão com graxa fazendo os inimigos ou aliados escorregarem para uma armadilha mortal! Hehehe (Meu predileto).

Beholder DDO

Devido ao fato de ser gratuito, ele agora tem uma “Cash Shop”. Mas não fiquem tristes! Diferentes de muitos por ai, essa loja não tira o balanceamento do jogo, pois os equipamentos mais fortes ainda devem ser conquistados in game, você pode ganhar os “Turbine Coins” (Moeda da “Cash Shop”) se aventurando pelo jogo ou se aventurando em colocar o numero de cartão de credito no site deles, onde você pode comprar comodidades para seus aventureiros, liberar raças e classes novas.

Enfim, eu já joguei todos os MMORPG’s que vocês imaginarem e achei esse bem interessante, agora que é grátis merece uma atenção de todos, principalmente dos fãs de RPG, então baixem e joguem com seus amigos todas as sextas à noite. Um abraço, Nerdmigos e até a próxima.”

@Lucas Gobato

******

Para jogar é bem fácil. É só entrar no site do DDO, fazer seu cadastro, escolher o modo de download e começar a sua aventura!

Agradecimentos ao Luke por fazer a review. Um cacho de bananas pra você XD

Post dedicado ao Cruni…posso não postar muito, mas sempre estou por perto 😉


Ou não.
Essa é velha, veja algumas mais recentes.

Vamos acabar com a idéia de que RPGista é tudo esquisito (se bem que alguns só confirmam a tese). Veja abaixo umas lista das celebridadse que gastam seu tempo livre rolando uns dadinhos! (Matéria adaptada da revista DragonSlayer).


Vin Diesel: Quem diria, o astro fortão de Batalha de Riddck, Eclipse Mortal e Velozes e Furiosos é um nerd assumido, e um grande fã de Dungeons & Dragons. Está sempre comentando sobre seus personagens, de meio-orcs à drows. Diz ainda que, quando recebeu seu primeiro pagamento como ator, tratou de correr para uma livraria e comprar um monte de títulos D&D 3ºEdição.

Matthew Lillard: Outro grande fã assumido de D&D mais conhecido como o Salsicha nos filmes Scooby-Doo. Também participou de vários outros filmes, como Os 13 Fantasmas e Pânico. Em uma recente entrevista à TV americana, ele embolsou um monte de miniaturas de D&D que decoravam o cenário do programa.

Mike Myers: Comediante e astro do cinema, viveu Austin Powers e dublou o ogro Shrek, também é RPGista. Chegou a fazer um quadro no programa americano Saturday Night Live baseado em um antigo personagem de D&D!

Ewan Mcgregor: Recentemente imortalizado como o jovem Obi-Wan Kenobi da recente trilogia-prelúdio de Star Wars, Ewan McGregor foi identificado como jogador de RPG em algumas entrevistas. Será que ele joga Star Wars d20? Eis alguém que realmente pode dizer que só joga com suas próprias miniaturas!

David Duchovny: Rumores dizem que o eterno agente Mulder de Arquivo X seria um jogador de D&D. Todas as referências a RPGs que apareceram na série, teriam sido sugestões dele. Será verdade, ou outra conspiração governamental?


Matt Groening: Quem assiste Os Simpsons e Futurama com certeza notou mais de uma referênciaa RPGs. Gary Gygax, um dos criadores de D&D, participou de um episódio de Futurama, onde também vimos um beholder e um monstro da ferrugem. O criador do desenho, Matt Groening é um jogador ávido e colecionador de suplementos antigos.

Lauren Graham: Quem não gostaria de ter a Lorelai Gilmore, da série Gilmore Girls ( ou Tal Mãe, Tal Filha, na versão nacional… ) em sua mesa de jogo? Bom, não dá para garantir que ela joga apenas por causa de uma foto ( de repente, ela só estava fazendo divulgação ), mas podemos sonhar, não?

Robin Williams: O premiado ator de Jumanji, uma Babá quase Perfeita e Retratos de uma Obsessão, além de parecer estar sempre ligado na voltagem 220, é também fã de D&D, coleciona miniaturas ( desde a época em que eram feitas de metal ) e joga D&D Online.

Stephen King: Um dos escritores de terror mais conhecidos da atualidade não esconde ser um tremendo fã de Tolkien e fantasia medieval. Comenta-se que ele também curte D&D. Você teria coragem de jogar com ele mestrando…?

Hulk Hogan: O mais famoso astro da luta-livre norte-americana, jogando com seu meio-orc!! vai encarar? Pelo menos sabemos que ele gosta de miniaturas

É com essa postagem que darei início a um novo tipo de colaboração para o blog. Já é bem comum em diversas mídias de comunicação a forma de informação em colunas, e em nosso blog não seria diferente. De início teremos duas colunas, uma que apresento agora, e uma posteriormente.

Nunca fui uma pessoa muito ligada à música e nem a livros (fato que me penalizo todos dias), mas uma coisa que sempre gostei, acompanhei e sou aficionado é a televisão. Será disso que minha coluna irá tratar: séries, desenhos, documentários, inéditos, clássico, contemporâneos, únicos…A maioria das coisas que um dia passou na TV passou pelos meus olhos, e está guardada na mente do…

Para a coluna inaugural irei falar de uma série que para mim tem certo destaque, poucos pessoas podem conhecer, já que não há previsão de que venha para o Brasil, mas torço que com as informações que estou prestes a expôr, mais pessoas se interessem por essa magnífica série.

Legend of the Seeker

Há algum tempo eu não via uma obra da época medieval feita com tanto esmero como essa. Acredito que a última que foi de fato produzida foi Hércules: A Lendária Jornada, que apesar de divertida não era ideal já que se passava numa época bizarra greco-oriental-egíptoromana e que as lutas não era tão emocionantes, aspecto que foi mais bem explorado em outra série do gênero, Xena: A Princesa Guerreira, que se passava na mesma época e até teve direito há alguns crossovers (quando personagens distintos se encontram) com Hércules, mas que mesmo assim não era ótima, porque por mais que tentasse, a Xena não conseguia ser sensual.

Mas não é coincidência sua semelhança, o produtor dessas duas séries, Sam Remi, junto com sua equipe criativa também assina Seeker. Outra grande semelhança são os belíssimos cenários da Nova Zelândia, que há tempos são explorados em séries do gênero e até por algumas equipes de Power Rangers, que já tiveram várias de suas cenas filmadas lá.


O Seeker e sua Confessora em um dos belos cenário da série
(não se engane com sua roupa, ela dá porrada pra cacete)

Legend of The Seeker é uma série adaptada da linha de livros americanos Sword of Truth escritos por Terry Goodkind que contam a história de Richard Cypher (que na série interpretado por Craig Horner), um rapaz do campo que descobre ser parte de um profecia que o indica com o Seeker of Truth (Buscador da Verdade), um posto que munido de uma espada mágica o coloca com salvador de todo um reino contra as opressões do rei tirano Darken Rahl. Mas ele não está sozinho, terá como professor um lendário, sábio e antigo mago (o carismático Bruce Spence) e uma poderosa confessora (veja a seguir) interpretada pela belíssima Bridget Regan.

Os grandes aspectos que acredito que se destacam nessa série são: as lutas coreografadas que muitas vezes são de fato emocionantes, os cenários belíssimos já citados, os efeitos especiais que para o nível de seriados são ótimos (acho que só perdendo para Supernatural) e o mais importante, todo o universo que Goodkind criou realmente ser muito interessante.

A confessora Kahlan, o Seeker Richard e o mago Zedd

Durante a série somos apresentados as Confessoras, uma espécie de ordem de freiras guerreiras com poderes mágicos de hipnose que não podem amar alguém a não ser que esteja sobre sua influência. Uma dessas confessoras acompanha e ama o Seeker e muitas vezes protagoniza com ele cenas de romance proibido que dão um toque interessante a série. Há também outros elementos inéditos, como por exemplo, a classe maligna das Mord’Sith, que são mulheres dominatrix imunes a magia treinadas sem sentimento para que de uma forma rude e agressiva tentem reproduzir os poderes das Confessoras.

Esses e vários outros elementos fazem de Legend of the Seeker um ótimo exemplar de série medieval que ainda pode ser acompanhada, já que 2º temporada estreiará em Novembro desse ano. Não posso deixar de comentar de como essa série me fez lembrar da antiga série da Saban, Os Cavaleiros Místicos de Tir-Na-Nog (que se alguém conhecer, por favor comente, porque parece que só eu assistia isso), que eu considero a mistura perfeita entre o modelo sentai e o tema medieval. Outra série atual medieval que parece ter ganhando algum destaque nos EUA é Merlin, seriado que conta a adolescência do famoso mago, mas essa fica pra depois.

Veja um dos teasers da 1º temporada e para mais informações, veja o site oficial.