Resolvi fazer mais um catado de informações e opiniões sobre uma franquia, dessa vez, apelando para uma das mais versáteis e fodástiscas franquias da história: Tartarugas Ninjas. Pra quem não sabe, as aventuras dos ninjas mutantes renascentistas começaram como histórias em quadrinhos preto e branco em 1984, com enredos bem maduros e traços sombrios, em que morte a sangue eram presentes nas histórias. Elas até tiveram um retorno no Brasil em sua mídia pioneira em 2012, pela Panini, mas o foco não é esse! Vamos falar das suas versões em movimento!

Teenage Mutant Ninja Turtles (1987)
Quem era da época realmente teve um choque em ver que as tartarugas ninjas assassinas dos quadrinhos haviam virado esses humoristas ambulantes. Apesar de infantil, o desenho era bem legal, a apresentava aventuras com inimigos recorrentes e enredos envolventes, que podiam durar mais de um episodio, e foi uma ótima maneira de apresentar esses personagem ao público da época, explorando todo seu potencial comercial. O desenho era bem mais voltado para o humor e ao público infantil, então nada de sangue ou morte, e muito menos usar as armas por aí (o College Humor até tirou sarro disso já), isso até é estranho de se pensar, já que elas eram ninjas, mas nada que a bizarrices dos anos 80 não resolvesse, incluindo também uma versão japonesa, que teve dois OVAs produzidos na mesma época, com direito a armaduras e poderes. Abertura.
Continue lendo

Agora numa pegada mais nostálgica, acompanhe Vinicius Perlato, Lucas Bixo, Thiago Caetano e Felipe Kaji na primeira parte dessa aventura temporal através das eras em Teenage Mutant Ninja Turtles IV: Turtles in Time, um dos jogos mais clássicos dos arcades e do SNES, além de um dos melhores games beat’em up já criados pela raça humana. Não esqueça de dar joinha!

Sugiram jogos para os próximos Zogatinas!