Como pode imaginar, não tenho tanto conteúdo para mais do que duas colunas sobre animes, então já chegamos a segunda e última parte desse assunto. Não estranhem se não encontrarem animes populares como Naruto, One Piece e Cavaleiros do Zodíaco, é que esses raramente me chamam a atenção, vejo um episódio ou outro, mas sinta-se livres para comentar deles e de qualquer outro nos comentários. Vamos lá!

Yu Yu Hakusho
Vou começar com um dos primeiros animes que tive contato, na saudosa TV Machente em 1994. Nesse época, era difícil acha uma animação madura e que tratasse de temas sombrios, é aí que Yu Yu Hakusho triunfa sobrenaturalmente! Assuntos de morte, espírito, demônio e inferno eram abordados comumente na série, que ainda trazia grandes cenas de lutas e conflitos totalmente diferentes a cada temporada. E não é só isso trapizomba! Yu Yu Hakusho teve uma das melhores dublagens da época, e referência até hoje no quesito adaptação e humor, sempre usando de ditados e gírias nacionais – Todas as abertura.

Pokémon
Como não falar desse fenômeno que foi os monstrinhos de bolso! Só de olhar a minha coleção de Pokémon Club, já lembro como era viciado nesse anime. Diversas aventuras e descobertas, ao lado dos seus melhores amigos, essa era a vida que toda criança queria na época. Infelizmente, o anime continua igual, inclusive com a ridícula idade de 10 anos de Ash Ketchum, até é de se entender, já que ainda focam no público infantil, mas se Dragon Ball conseguiu se reinventar, porque não Pokémon não tenta? E ainda temos os jogos e alguns produtos jogados aí no mercado (vide Pikachu do McDonalds) que sempre nos chamam a atenção e nos fazem relembrar – Abertura português emoção total.

Monster Rancher
A belíssima Fox Kids trouxe até nós, em 1999, esse misterioso anime, que colocava o garoto Genki em um mundo que parecia ser dentro de seu videgame, e que está passando por tempos difíceis de guerra civil. Cabia a ele, juntar forças com outros pokemons monstros e vencer o maligno monarca. Monster Rancher não trazia muita novidade, mas nos colocava em uma cenário desesperador, que em, longe de casa, a galera tinha que se virar com os recursos que tinham para sobreviver. Chegou a passar na Rede Globo também, e teve direito até a um final totalmente digno – Abertura da Globo | Abertura Fox Kids.

Medabots
Medalutadores prontos? CYBERLUTAAAA!! Outro anime que habitava os anos 90 da Fox Kids, dessa vez era sobre batalhas com robôs de brinquedos que tomavam proporções catastróficas! Mas o que esperar de um mundo onde a tecnologia cibertrônica era usado para fazer brinquedos? O mais interessante do desenho mesmo eram as batalhas, sempre cheias de emoção e comédia, e o grande variante que era as peças modulares dos Medabots, então você aloprava quando aparecia o Metabee com um braço de canhão, uma espada, uma arma de choque ou uma calda de sereia. Destaque também para a dublagem do robô protagonista, que expressava total personalidade e desopediencia ao seu dono, mas quando precisava, era forte e o melhor amigo possível – Abertura nacional.

Digimon
Lembro até hoje do dia na minha 3º série que um colega disse: “Você viu aquele Digimon, é bem legal!” E eu respondi: “Digimon? É cópia de Pokémon? Nossa, deve ser muito ruim!”. Mal sabia aquela criança que ela conheceria uma das aventuras mais emocionantes da televisão. Digimon Tamers e Digimon Frontier, que foram os últimos que eu assisti, eram bem maneiro, tinham a Evolução da Matriz, o Digiespírito e tals e até dá vontade de assistir os mais novas, ainda mais numa cena que aparecem todas as gerações reunidas. Mas nada se compara as duas primeiras séries do Digimon, uma em que conhecemos os 7 digiescolhidos e na outra que os vemos amadurecer. São várias cenas emociantes nesses animes, mas o final de Digimon 02, ontem mostra todos os protagonistas no futuro, e revela que TK era o narrador o tempo todo, está entre umas das cenas mais emocionantes de todas – Aberturas em português.

Full Metal Alchemist
Esse é um exemplo supremo que animações podem sim tratar de temas puramente adultos, como morte, política e guerra, e obter classificação de faixa etária 16 anos sem se rebaixarem ao nível de usar cenas com cunho sensual. Uma história completa e fechada, como sempre deve ser, com personagens cativantes e conflitos fortes, sem mencionar as cenas de lutas incríveis, com golpes e técnicas que só mesmo a alquimia podia prover. Relações de amizade, companheirismo, irmandade e até amor se desenvolvem em vários personagens, fazendo você gostar não só protagonistas, mas sim de todos os amigos deles. E pra fechar com polêmica, os fãs que me perdoem, mas o final de Conqueror of Shamballa deninitivamente não é bacana! Essa cena vale mais do que tudo – Aberturas do Brotherhood.

Comentários

11 comentários antigos

  1. Gostei muito dessa parte 2 e sobre os três animes que citou recomendo que dê uma chance.
    Cavaleiros do Zodíaco é tão clássico quanto Dragon Ball ou YuYu Hakusho e Naruto e One Piece são tão bons quanto os clássicos.
    Eu particularmente não vejo motivos para a rivalidade entre animes novos e antigos.

  2. nao vou contra.. pq tudo isso e muito novo,

    estao falando de animes que ja sairam no final da decada de 90 para 2000

    mais pessoas mais velhas como eu… que cresceram
    com animes um pouco mais marcantes na vida,

    como yu yu hakusho, experimento of lain, evangelion, guerreiras magicas, cavaleiros do zodiaco, dragon quest “fly” e ainda arisco a dizer “street fight o primeiro anime que passava no sbt” foram animes exibidos na tv brasileira “antiga manchete, record e sbt” que fizeram a cabeça de muita gente…

    esta era dourada.
    a nova era.. onde viriam aparecer.. digmon, pokemon, fullmetal e naruto….

    cada anime marcou sua epoca… eu tenho 30 anos… e provavelmente quem acompanhou a epoca dos pokemon.. nao sabe nem o que eh um dragon quest…

    saudades da manchete